O sono nos primeiros anos de vida da criança é associado sempre à sensação de segurança e de bem-estar. Atravessando várias fases, o período do sono é alterado pelos picos de crescimento, de amadurecimento emocional e dependente do contexto em que ela se encontra. No início da vida o sono é muito relacionado à saciabilidade alimentar. Com o passar dos meses, essa sensação de satisfação vai dando lugar a familiaridade com o ambiente. No entanto, a criação do hábito de dormir só aparece com maior definição a partir dos dois anos e meio.

O início da fase dos pesadelos

A partir dos três anos, os sonhos se desenvolvem com mais clareza e por isso os pesadelos podem começar a aparecer. Quando uma criança tem um pesadelo, geralmente se movimenta durante o sono, acorda de impulso assustada e faz grunhidos e gemidos trêmulos.

O que fazer quando meu filho está tendo pesadelo?

Acolhendo o filho durante um pesadelo

Se a criança já tem capacidade de narrar o sonho, é preciso ouvi-la com cuidado e passar a segurança de que todas essas imagens são uma fantasia e que na realidade ela está segura e protegida pelos pais. Se o seu filho sonha com algo muito claro, como um monstro atrás da cortina, os pais podem acompanhá-la até o lugar e mostrar que aquele é um ambiente seguro e que na verdade não tem nada lá. Os pais devem confortá-la e passar confiança imediatamente.

Retomando o sono

É normal que, após um episódio de pesadelo, as crianças não queiram voltar para a cama. Apesar disso, os pais devem acompanhar ou ir até o quarto dela e ficar durante um tempo até que sinta que o sono está voltando. Não é aconselhável ficar com a criança até ela dormir, pois este comportamento pode criar uma dependência e ficar mais difícil do filho desenvolver autoconfiança futuramente.

Pesadelos ou terror noturno?

É preciso saber diferenciar se o seu filho está tendo pesadelos esporádicos ou passando por terror noturno. No segundo caso, é preciso um acompanhamento mais especializado, como médicos, terapeutas e psicólogos, além de mudanças no sistema e na rotina da vida da criança. O terror noturno pode ser hereditário e sumir de forma espontânea na maioria dos casos.

O terror noturno é uma experiência que, diferente do pesadelo, ocorre no começo da noite, 1 a 2 horas após o pequeno pegar no sono. Geralmente é acompanhado de gritos intensos, onde eles se levantam da cama e podem até chegar a tratar os familiares com indiferença, como se estivesse amedrontado e não os conhecesse. Quando esse mal estar acaba, a criança volta a dormir, acordando depois como se nada tivesse acontecido — na grande maioria das vezes eles não se lembram do que aconteceu.

De onde vem os pesadelos?

As manifestações relacionadas ao sono nas crianças são ligadas ao amadurecimento emocional e qualquer mal estar pode estar relacionado a desconfortos que ela traz na experiência do contexto familiar, escolar e social. Quando os casos se tornam mais frequentes, é preciso observar com mais cuidado a situação, procurando ajuda profissional quando necessário. A criança precisa se sentir segura, acolhida e compreendida para ter um crescimento emotivo saudável.

Tem como evitar pesadelos?

Para deixar um ambiente agradável e aconchegante para o seu filho, evite deixá-lo chegar a um nível de cansaço extremo, assim como rotinas sobrecarregadas de atividades. Priorize brincadeiras lúdicas e prazerosas. Caso presencie um episódio de terror noturno, não tente acordar seu filho e deixe o ambiente protegido de possíveis contusões.

Agora que você já sabe o que fazer quando o seu filho tiver um pesadelo, aprenda algumas dicas sobre como escolher o pediatra ideal!

Baixe também nosso aplicativo (App) nas lojas:

Apple Store  Google Play  

Autora:

Sou mãe e empreendedora, antes de iniciar essa jornada fui por 20 anos executiva de Recursos Humanos. Essa experiência aliada com nosso compromisso de fazer o melhor gerou o processo de habilitação mais incrível que você já conheceu. Sim, o processo para ser uma babysitter é rigoroso e não abrimos exceções.

Encontre as melhores babysitters perto de você

Antes eu tinha certa barreira em deixar minha filha com babysitter, quando precisávamos ela ficava com as avós. Certo dia, precisei sair e não pude contar com a ajuda das avós, então quebrei essa barreira e chamei uma babysitter pelo ClickSitter….me surpreendi muito! A experiência foi ótima, a minha filha amou! Na segunda vez, tive certo receio pelo fato de vir outra pessoa…será que seria igual a primeira babysitter contratada? Novamente, deu super certo! Minha filha também amou e se divertiu muito…a partir daí sempre conto com a ajuda da ClickSitter!

Saiba Mais

%d blogueiros gostam disto: